Artigo

A verdade é uma ficção?

Destaque

A verdade é uma ficção?
RED

De LÉA MARIA AARÃO REIS* Anatomia de uma Queda fez estremecer de surpresa e ainda está sacudindo o ‘sistemão’ da indústria cinematográfica constituída com as bilheterias astronômicas que vem alcançando. Em março passado, o filme apresentava um box office de 32 milhões de dólares, além de críticas e análises elogiosas apanhadas de surpresa com a segurança, originalidade e alta qualidade da direção, do roteiro original e da montagem dessa produção francesa filmada no cenário gelado dos Alpes. Agora, em várias plataformas de streaming* e ainda com a temporada nas telonas, a autora de Anatomy of a Fall, Justine Triet, de 45 anos, amplia sua repentina celebridade. Diretora, roteirista e editora de filmes, até aqui Triet era apenas conhecida nos círculos do cinema francês independente, de autor, e nos grupos de militância política de esquerda. Seu marido, Arthur Harari, é coautor no roteiro de Anatomia de uma Queda, também ele um roteirista premiado que ganhou a Palma de Ouro do ano passado por Melhor Roteiro Original, ao lado da sua companheira. Originária de família budista vinda da campagne, a cineasta foi criada em Paris. É a terceira mulher a receber a Palma de Cannes de direção, no ano passado, e abocanhou cinco indicações para o Oscar além do prêmio de roteiro, do Globo de Ouro e o importante Cesar, respeitado premio do cinema europeu. Ela dedicou a premiação aos novos diretores, “àqueles que enfrentam desafios na indústria cinematográfica“, e pede maiores oportunidades e apoio para talentos em ascensão. Segundo a cineasta, o argumento de Anatomie d’une chute tem como foco “destacar o modo como construímos nossas decisões e o quanto elas impactam a nossa vida”. Mas o filme, com seu final em aberto, entrega bem mais que essa observação destinada a divulgação e à publicidade. Ele insinua que a verdade absoluta talvez não existe e os acontecimentos presenciados e vividos durante a vida de todos nós beiram as ilusões; à semelhança da ponderação budista sobre o assunto. “É preciso escolher a versão, não a versão da realidade, mas da ficção para cada evento que se impõe”, esse é o recado. O evento chave de Anatomie d’une chute se inicia em um chalé no coração da cordilheira coberta de neve, próximo da cidade de Grenoble. Um cenário como que paralisado com a queda fatal sofrida por um professor francês, Samuel, (ator Samuel Theis) que ao fazer reparos de reforma na sua casa, desaba, cai da sacada onde estava e morre. Ao contrário de Samuel, que lutava para ser escritor, a sua mulher Sandra, é uma escritora alemã de sucesso, interpretada pela (também) alemã Sandra Hüller, excelente no seu desempenho forte, um enigma até a última cena. Sandra é a única pessoa presente no local quando ocorre a queda; cochilava em um andar abaixo, com fones de ouvido. O filho do casal, um adolescente cego que sofrera um acidente de carro no passado (em um dia em que estava sob os cuidados do pai), vem voltando para casa de um passeio pelas redondezas com o seu cão-guia, Messi e é ele, Daniel, (ator Milo Machado Graner, excepcional) quem encontra o corpo de Samuel caído na neve, sem vida. O caso passa a ser tratado pela polícia e, depois, pela justiça, com três possibilidades: assassinato, acidente ou suicídio. A partir daí se inicia a anatomia da queda, da intimidade da família, e as suspeitas de crime; não de acidente. A história envereda pelo perfil de filme-de-tribunal onde Sandra é julgada como suspeita de ter empurrado o marido durante uma discussão. Mais uma das brigas em que o casal de vez em quando se envolvia, o marido não conseguindo tempo, segundo ele, para se dedicar também, como a companheira, a escrever. Seu ódio à mulher fica nas entrelinhas. “Quem é que vai ver esse filme com um casal brigando, com o que parece ser um suicídio, e com um cachorro vomitando?”, brincou Justine Triet durante seu discurso de aceitação do Globo de Ouro. Referia-se ao lance da intoxicação por medicamentos de Samuel e, em outra situação, a intoxicação de Messi. “Mais uma heroína desagradável e acusada do assassinato do marido; um chalé perdido nas montanhas nevadas; uma criança com deficiência visual, um filme com duas horas e meia de duração e um elenco sem estrelas”. A procura da verdade incerta é a penosa tarefa do promotor, do advogado de defesa de Sandra, (ator Swann Arlaud), dos jurados e do juiz. É também a anatomia de um filme policial, de um filme de tribunal, de um filme que trata da competição sem trégua entre marido e mulher e da culpa (relacionada ao acidente, no passado, que deixou o filho cego). Todos procurando a verdade em seus depoimentos e argumentação, em suas versões – sinônimos de narrativas, palavra que hoje virou moda – mas, no final, todos escolhendo a sua própria ficção. Nesse quadro, a escolha do garoto Daniel é decisiva. “Se eu imagino que minha mãe o matou”, diz ele, se referindo ao pai, “não consigo entender; mas se imagino que meu pai cometeu suicídio, acho que consigo entender”. Filme imperdível. -Nos catálogos da TV Claro+, Apple TV, Prime Video e ainda em cartaz em cinemas. https://www.youtube.com/watch?v=wUcOD9f4Dvo&embeds_referring_euri=https%3A%2F%2Fforum21br.com.br%2F&source_ve_path=OTY3MTQ&feature=emb_imp_woyt *Jornalista carioca. Foi editora e redatora em programas da TV Globo e assessora de Comunicação da mesma emissora e da Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro. Foi também colaboradora de Carta Maior e atualmente escreve para o Fórum 21 sobre Cinema, Livros, faz eventuais entrevistas. É autora de vários livros, entre eles Novos velhos: Viver e envelhecer bem (2011), Manual Prático de Assessoria de Imprensa (Coautora Claudia Carvalho, 2008), Maturidade – Manual De Sobrevivência Da Mulher De Meia-Idade (2001), entre outros. Imagem: divulgação. Os artigos expressam o pensamento de seus autores e não necessariamente a posição editorial da RED. Se você concorda ou tem um ponto de vista diferente, mande seu texto para redacaositered@gmail.com . Ele poderá ser publicado se atender aos critérios de defesa da democracia.

Artigo

MEMÓRIAS

Destaque

MEMÓRIAS
RED

De ADELI SELL* Buscar pela memória, catar fatos, estudar, pesquisar acontecimentos, ver testemunhos, expor descobertas não é um simples ato, é um dever com a História. A Comissão Nacional da Verdade (CNV)  - instituída pelo governo Dilma – foi para investigar violações de direitos humanos. Foi e continua sendo um dos atos mais importantes da História do país. Em parte seguimos nossos vizinhos do Chile, Uruguai e Argentina. Porém, a Anistia do passado enterrou condenações certas por violações graves. Aqui, entram e cabem os Crimes contra a Humanidade. O que seriam eles? Os crimes contra a humanidade são tipos penais que envolvem um ataque, generalizado ou sistemático, contra população civil, do qual decorre um conjunto de atos ilícitos. Os crimes contra a humanidade são tipificados no art.º 7.º Estatuto de Roma que institui o Tribunal Penal Internacional e no art.º 9.º da Lei nº 31/2004, de 22 de julho. Os atos ilícitos puníveis são: Homicídio; ii) Extermínio; iii) Escravidão; iv) Deportação ou transferência à força de uma população; v) Prisão em violação do direito internacional; vi) Tortura; vii) Violação, escravatura sexual, prostituição forçada, gravidez à força, esterilização à força; viii) Perseguição de um grupo por motivos políticos, raciais, nacionais, étnicos, culturais, religiosos ou de sexo; ix) Desaparecimento forçado de pessoas; x) Apartheid; k) Outros atos desumanos de carácter semelhante aos anteriores que causem intencionalmente grande sofrimento. Mesmo com a CNV, com fatos comprovados, os crimes praticados há 60 anos, quando começou a ditadura militar, não foram punidos aqui nem chegaram ao Tribunal Penal Internacional – TPI. Mais recentemente levantam-se casos e casos de afronta aos direitos humanos, o genocídio do povo ianomâmi, as mortes do Covid 19 no governo bolsonarista. Não bastam as CPIs. É preciso ir muito além delas. No ano dos 60 anos do golpe militar, dos 40 anos das Diretas já, dos 70 anos da morte de Getúlio é preciso retomar o tema das MEMÓRIAS, da luta contra o esquecimento. É preciso colocar na pauta política os crimes contra a humanidade, contra os direitos humanos, as violações de direitos que sistematicamente ocorrem em nosso país, como tem sido o caso recorrente da escravidão contemporânea, vista de forma leniente pelas autoridades em geral. Vários debates e encontros estão sendo programados. Sou proponente de um longo Colóquio, com encontros semanais, que vão buscar cobrir várias áreas que foram afetadas pela ditadura, com depoimentos, de forma híbrida, para o contato pessoal nos encontros presenciais, como nos possíveis diálogos pelas redes sociais. Os contatos podem ser feitos diretamente com este autor no WhatsApp 51.999335309 ou pelo e-mail: adeli13601@gmail.com. *Professor, escritor, bacharel em Direito, vereador em Porto Alegre. Imagem em Pixabay. Os artigos expressam o pensamento de seus autores e não necessariamente a posição editorial da RED. Se você concorda ou tem um ponto de vista diferente, mande seu texto para redacaositered@gmail.com . Ele poderá ser publicado se atender aos critérios de defesa da democracia.

Artigo

O agente Musk

Destaque

O agente Musk
RED

De MANUEL DOMINGOS NETO* Certo dia, lá se vão 50 anos, mostrei a Pierre Monbeig um relatório que encontrara no Serviço Histórico do Exército francês indicando a interferência militar na escolha dos jovens intelectuais enviados ao Brasil para operar na USP.  Surpreso, o professor sorriu e me perguntou: “fui um agente involuntário do Exército”? Além de Monbeig, Fernand Braudel, Lévi-Strauss e Roger Bastide, entre outros, participaram dessa empreitada que repercute ainda hoje. O eurocentrismo predomina no meio acadêmico brasileiro. Os que disputam a hegemonia mundial criam expedientes capazes de atuar em seu favor. Desde o século XIX, o envio de missões religiosas, artísticas, científicas e militares integram práticas de governos que disputam estrategicamente mercados consumidores e fornecedores de matérias primas. O controle da imprensa e de grandes contingentes de emigrantes integram o amplo rol de lances estratégicos dos que dominam ou querem dominar o mundo. Quem vasculha arquivos históricos de grandes potências descobrirá facilmente que projetos guerreiros abrangem mais que capacidade econômica, tecnológica e militar. A disseminação de valores e a indução de comportamentos coletivos é fundamental. Quem pensa e conduz a guerra procura conquistar almas. Daí a forte ligação do Pentágono com Hollywood, desde 1915, com Griffith, que dirigiu “The Birth of a Nation”. Captando cedo a importância do cinema na disputa pela simpatia internacional, os comandantes estadunidenses recrutariam John Huston, William Wyler, John Ford, Frank Capra e George Stevens para cobrir a Segunda Guerra Mundial. Ainda hoje o mundo assiste a hecatombe por suas lentes.  Cada potência disputou a influência no Brasil com os instrumentos ao seu dispor. No final do século XIX, a França, perdendo a competição tecnológica, econômica e militar para a Alemanha, investiu em seu prestígio intelectual. Depois da primeira derrota do Reich, conseguiu abrir as portas dos quartéis brasileiros. Modernizou o Exército, ensinou o anticomunismo e vendeu muito material de guerra, incluindo aviões e peças de artilharia recauchutadas. A recente visita do presidente francês ao Brasil e seu terno enlace com Lula despertou-me lembranças e apreensões. Nada mais falso do que uma Defesa Nacional ancorada em aquisições externas. O mais forte não fornece armas ao mais frágil sem garantias de submissão. Quem compra equipamentos bélicos de potências coloniais vende a alma ao diabo. Gasta muito por um simulacro de Defesa Nacional. Remoo minhas anotações enquanto leio o estridente noticiário acerca de Elon Musk, descrito como bilionário excêntrico, rico, arrogante, bravateiro e emulador da extrema direita mundial.  Não cabe imaginar que um potente indutor de comportamentos coletivos cresça e atue à revelia de detentores dos grandes cordões da política internacional. Musk não é um gênio sul-africano que se fez sozinho. Não iria longe sem parcerias com os gestores da estratégia de dominação estadunidense. Antes de tudo, Musk é um agente do Pentágono. Nenhuma potência com aspirações de autonomia permitiria que um indivíduo ou uma instituição detenha isoladamente influência passível de contraditar seus desígnios.  A consciência democrática brasileira se revolta diante das tiradas aviltantes de Musk. Aplaude Alexandre de Moraes, que promete enquadrá-lo juridicamente. Muitos dizem que o Brasil faz bem não cerceando a mídia digital controlada por este agente do Pentágono. Concluem que, caso Lula enfrentasse essa briga, escorregaria numa casca de banana.  Convenhamos, há enfrentamentos dos quais não se pode fugir. A contenda com Musk não pode ser relegada ao Judiciário nem se restringir à regulação estabelecida pelo Congresso, que só agirá positivamente se pressionado pela sociedade.  Trata-se de uma luta política de fôlego e abrangência. Envolve múltiplas iniciativas concatenadas e de alcance estratégico. Não é apenas a democracia que está em risco, mas a autonomia nacional. Diz respeito ao poder político e só pode ser enfrentada com medidas que assegurem ao Estado brasileiro meios para repelir o condicionamento da sociedade por forças estrangeiras.  Musk não é um mero empresário. É um agente a serviço de Washington. Seus apoiadores não sabem o que seja defesa da pátria. *Doutor em História pela Universidade de Paris, escreveu O que fazer com o militar – Anotações para uma nova Defesa Nacional (https://gabinetedeleitura.com/). Imagem em Pixabay. Os artigos expressam o pensamento de seus autores e não necessariamente a posição editorial da RED. Se você concorda ou tem um ponto de vista diferente, mande seu texto para redacaositered@gmail.com . Ele poderá ser publicado se atender aos critérios de defesa da democracia.

Artigo

Atenção! A censura é um refrão que se repete

Destaque

Atenção! A censura é um refrão que se repete
RED

De CÁTIA CASTILHO SIMON* “é preciso estar atento e forte,  não temos tempo de temer a morte” Caetano Veloso e Gilberto Gil Em meados de março participei de uma live do Espaço Plural, da Rede Estação Democracia junto com o Júlio Sá – Presidente da Associação de Mães e Pais  pela Democracia com a mediação do jornalista, Solon Saldanha. Na ocasião, a questão tratada foi a censura ao livro O avesso da pele, ganhador do Jabuti de 2021, do escritor Jeferson Tenório.  Em Santa Cruz do Sul, uma diretora foi às redes sociais denunciar palavras de baixo calão que encontrou no livro. E, pasmem, leu para gregos e troianos, o que considerou inadequado aos alunos da sua escola. E, pior, retirou do contexto, isolando o que achava reprovável. A censura ao livro ganhou corpo, liderada por oportunistas de plantão aqui mesmo em nosso estado; Goiás, Paraná e Mato Grosso do Sul embarcaram nessa canoa furada. Todas as ações foram revertidas. O fato gerou uma contra-onda de apoio ao escritor, bem como da necessidade de se preservar a liberdade de expressão. A censura, neste caso, flopou. O Avesso da pele está, inclusive, na lista dos livros a serem lidos para o vestibular da UFRGS. Fogo nos fascistas! O debate foi profundo, trouxe considerações importantes na defesa do estado democrático. Consideramos que o fascismo se arma com moralismo de fachada sob o argumento de defender a família e os bons costumes, nos moldes já conhecidos por nós, da velha e desprezível TFP.  O romance é muito mais do que o que a diretora tentou impingir, e o trecho destacado é perfeitamente adequado à narrativa. A coisificação do corpo negro de homens e mulheres precisa ser pensada e desconstruída. As piadas, os mitos criados têm de ser enfrentados. Em uma de suas entrevistas, Jeferson Tenório diz que o tema do romance não é o racismo, mas, sim, o ódio. Infelizmente ações de censura não iniciaram com O avesso da pele, mas esperamos que sejam sempre questionadas e revertidas.   Buenas, o debate está disponível no seguinte endereço: https://www.youtube.com/watch?v=7AeWygZ81dI   . Não há sombra de dúvida que os conservadores têm medo das obras literárias, da arte e lhes apraz à censura. Há uma longa lista de livros, peças teatrais, exposições vetadas ao longo da história. Os fascistas reivindicam para si o direito de propagar suas idéias, mas (...) somente às suas.  No Brasil, recentemente, nos governos pós-golpe da Dilma e Bolsonaro as ações de censura ganharam uma proporção alarmante, pequenos focos pipocaram em diversos estados, com direito a repercussão na mídia e adesões. O aumento do fundamentalismo religioso também contribui para tais ações. Para ilustar o fato, há o inesquecível enfrentamento do youtuber Felipe Neto à censura do prefeito Marcelo Crivella( pastor) ao livro de HQ por mostrar beijo gay. O rapaz comprou os exemplares e distribuiu gratuitamente na Bienal do livro, no RJ , em 2019. Fogo nos fascistas! Meninos sem Pátria, do Luiz Puntel, A bolsa amarela, de Lygia Boyunga, O diário de Anne Frank, são alguns exemplos do cancelamento proposto por mentes obtusas. O argumento transita pela defesa dos valores da família ao fantasma do comunismo.  Há também o caso da escritora Saíle Bárbara Barreto, advogada e escritora catarinense que mudou de Santa Catarina para o nosso estado a fim de preservar sua integridade física e mental. O livro “Causos da Comarca de São Barnabé” segundo o Ministério Público de Santa Catarina afirma que a escritora, por motivo de vingança, se inspirou em um juiz da Comarca do estado para criar um personagem. Vejam bem, em nenhum momento o nome ou a Comarca está referida no livro, a narrativa é fluida e nos revela os bastidores do dia a dia de um lugar hipotético, mas verossímil.  O tal magistrado ao vestir a carapuça e ver na personagem qualidades suas, parece ter a mesma qualidade intelectual do juiz-marreco, nosso conhecido. O livro de codinome “proibidão” não pode ter trechos divulgados nas redes sociais, mas pode ser adquirido nas boas casas do ramo.  E daí que me vem que a censura, neste caso, tem também traços de misoginia. Afinal, a mão sempre é mais pesada com as mulheres na sociedade patriarcal que vivemos.  Por essas e outras, é que devemos estar vigilantes aos casos de censura a livros e  a todas expressões culturais. Olhar as obras censuradas e desvelar suas qualidades a despeito do que propagam. Atenção! A censura é um refrão que se repete, por isso - “é preciso estar atentos e fortes”. *Escritora e poeta; doutora em estudos da literatura brasileira, portuguesa e luso-africanas/UFRGS. Imagem em Freepik. Os artigos expressam o pensamento de seus autores e não necessariamente a posição editorial da RED. Se você concorda ou tem um ponto de vista diferente, mande seu texto para redacaositered@gmail.com . Ele poderá ser publicado se atender aos critérios de defesa da democracia. 

Artigo

Os bastidores de uma guerra suja

Destaque

Os bastidores de uma guerra suja
RED

De LENEIDE DUARTE-PLON*, de Paris O excelente documentário de José Joffily revela a postura ética do brasileiro que resistiu às pressões de Bush O mundo inteiro viu Colin Powell, secretário de Estado de George Bush, tentando provar na ONU que Saddam Hussein fabricava e detinha um arsenal de armas químicas, proibidas pelo direito internacional. Com um pequeno frasco na mão, Powell defendeu uma aliança internacional para destituir o presidente Saddam Hussein, um dos governantes que a administração Bush apontava como o "eixo do mal", juntamente com os aiatolás do Irã e Bachar El Assad, da Síria. A invasão do Iraque foi preparada e instrumentalizada pela coalizão americano-britânica, de 2001 até 2003, após a destruição das torres gêmeas. A cena da ONU e a propaganda americana tentavam legitimar a invasão do Iraque para tomar posse das imensas reservas de petróleo do país, como se vê claramente no filme "Sinfonia de um homem comum", documentário de José Joffily – exibido no 26° Festival do Cinema Brasileiro em Paris, em abril, organizado sob a batuta competente de Kátia Adler. O filme conta a história de um homem íntegro. Um resistente que não cedeu a pressões monumentais. No documentário de Joffily, somos apresentados a esse homem extraordinário, que resistiu a todas as investidas americanas para ratificar a "informação" dos EUA sobre armas químicas de Saddam Hussein. Este homem é o diplomata brasileiro José Mauricio Bustani, primeiro diretor-geral da OIAC (Organização para a Proibição de Armas Químicas, afiliada à ONU) que sabia que Saddam Hussein não tinha mais armas químicas. Bustani tentou impedir a destruição do Iraque mas teve que se curvar à pressão dos Estados Unidos, que precisavam de um pretexto para justificar a invasão e a destruição do país.  Como a Organização para a Proibição de Armas Químicas sob a direção de Bustani não quis entrar no jogo sujo dos americanos, o diplomata brasileiro pagou o preço de sua integridade. FHC se curvou a Bush O filme é um deleite para quem se interessa pelos meandros da política internacional que determinam a paz ou a guerra.  Apaixonado por música, Bustani – ex-embaixador em Londres e em Paris durante o governo do presidente Lula – é visto ao piano em diversas cenas e se mostra um músico experiente ao exigir que o piano mais afinado seja colocado no palco no lugar de outro, quando se apresenta com uma orquestra de jovens. Em seu depoimento, Fernando Henrique Cardoso revela o caráter submisso de seu governo e a lealdade sem falha ao aliado norte-americano. Ele cedeu a todas as manobras para afastar o diplomata brasileiro do órgão de controle de armas químicas. FHC mostra sua pusilanimidade tentando justificar sua falta de coragem e sua tibieza. Celso Lafer simplesmente conta o contrário do que se passou na realidade. Extremamente bem documentado com arquivos de imprensa, além de vídeos e depoimentos relevantes, o documentário é importante para historiadores, pesquisadores e para todo cidadão que se interessa pela política internacional e pelo funcionamento dos órgãos multilaterais. Fernando Henrique Cardoso, Celso Lafer, Bush, Colin Powell, colaboradores e capachos de Bush, como Tony Blair, vão para o lixo da História. José Maurício Bustani entra na galeria de grandes homens públicos de quem o Brasil pode se orgulhar. O documentário "Sinfonia de um homem comum" obteve uma Menção Honrosa do Jury no Festival Millenium de Bruxelas, que homenageava Oliver Stone e participou de mais dois Festivais Internacionais, em Amsterdã e no Canadá. *Jornalista internacional. Co-autora, com Clarisse Meireles, de Um homem torturado – nos passos de frei Tito de Alencar (Editora Civilização Brasileira, 2014). Em 2016, pela mesma editora, lançou A tortura como arma de guerra – Da Argélia ao Brasil: Como os militares franceses exportaram os esquadrões da morte e o terrorismo de Estado. Ambos foram finalistas do Prêmio Jabuti. O segundo foi também finalista do Prêmio Biblioteca Nacional. Imagem de divulgação. Os artigos expressam o pensamento de seus autores e não necessariamente a posição editorial da RED. Se você concorda ou tem um ponto de vista diferente, mande seu texto para redacaositered@gmail.com . Ele poderá ser publicado se atender aos critérios de defesa da democracia.

Mostrando 6 de 4526 resultados
Carregar mais